O que significa este momento para você?


Autor: Izabel Cristina Heberle

Psicoterapeuta Reencarnacionista, Coach, Escritora e Terapeuta Holística

Em momentos de crise é que nos conhecemos melhor.

Quando literalmente perdemos a liberdade, seja ela de expressão de ir e vir, de professar nossa religião, nossas crenças ou em outros aspectos também, nesse exato momento é que damos valor às nossas liberdades.

Fazemos tudo com liberdade, sem nos darmos conta do quanto ela é importante, somos levados a acreditar que somos livres, invencíveis, capazes etc., mas será que isso significa liberdade?

O que é liberdade? Estou falando da liberdade que ninguém pode tirar de você, aquela que nasce e se multiplica dentro de cada um quando atinge um certo gradiente de consciência, onde a clareza de seu propósito vem à tona, onde começa a compreender que a verdadeira liberdade está dentro de cada um e faz parte de uma construção diária.

Esta construção tem alicerces fortes, pois se baseia no conhecimento, na experimentação, na prática e na capacidade de contestação. Por que temos tanta dificuldade de fazer as perguntas certas? Será que nos sentimos realmente livres para fazê-las, ou será que temos medo das verdadeiras respostas?

Voltando ao parágrafo anterior sobre perder a liberdade. Estamos em um momento delicado, em que somos “convidados” a ficar em casa, por uma boa causa sem sombra de dúvidas, pois há riscos envolvidos, risco à saúde, nossa e das pessoas que nos cercam. Então, qual a dificuldade em ficar em casa?

Será que é a sensação da perda de liberdade de ir e vir que está nos afetando, ou será a falta de intimidade interna de conviver consigo mesmo? Sim, isso afeta sim e muito a forma como pensamos ou percebemos. Se não estamos acostumados por livre vontade a ficar sozinhos, reflexivos em um ambiente somente nosso, quando somos convidados a fazer isso, é como se estivessem cerceando nossa liberdade, veja, estamos elegendo um “culpado” para essa situação, como fazemos com quase tudo o que nos afeta.

Este pode sim ser um momento muito bom para rever nossos comportamentos, rever a forma como pensamos e como percebemos tudo o que nos cerca.

A liberdade está dentro de cada um de nós e não fora, como tudo o que nos cerca e nos afeta, lembrando que sempre há a permissão para isso acontecer, nos afeta e modifica o nosso meio quando permitimos.

Não existe situação boa demais ou ruim demais, existem apenas situações. O que define se é boa ou ruim, triste ou alegre, pequena ou grande, somos nós, nós definimos o que queremos a todo o momento. Ninguém consegue tirar o que é seu. Sua liberdade não está no seu andar, na sua mobilidade, está na sua forma de perceber e aplicar, está dentro e não fora.

Em muitos casos o assumir que liberdade depende do meio ambiente que cerca você pode causar ansiedade, pois a mínima menção de que você não pode mais ir ou vir já modifica tudo a sua volta, porque não está na percepção externa e sim interna. Somos livres pensadores, capazes de criar, construir, viajar, sonhar, quando acreditamos que temos esse potencial.

A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens e mulheres presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência. Mahatma Gandhi

Gandhi resumiu de forma clara o que é liberdade. Liberdade é uma questão de consciência, e o que é consciência?

Segundo o dicionário (internet), consciência é um sentimento ou conhecimento que permite ao ser humano vivenciar, experimentar ou compreender aspectos ou a totalidade de seu mundo interior.

Aqui podemos dizer também que o conhecimento é muito importante nesta nossa jornada, pois ficar alheio às verdades existentes sobre o todo e principalmente sobre si mesmo é o que nos torna cativos, prisioneiros, dependentes de alguma coisa ou algo maior. Vivendo a cada dia mais dentro de uma ilusão, que pode ser até romântica em alguns pontos de vista.

Para encerrar: Já dizia o Mestre dos Mestre há mais de 2.000 anos: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

Então, se não formos atrás dessas verdades e não as confrontarmos, podemos dizer que não somos livres? Qual é exatamente essa liberdade?

Assim como o bom desbravador busca as informações sobre sua direção, que este seja um pequeno impulso para sua reflexão sobre este momento de reclusão pelo qual passamos.

E você, neste momento, como se sente? Livre ou cativo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *