Estação Primavera

Gestora para Assuntos da Terceira Idade

Pensar em primavera nos remete a lembranças, onde o verde fica mais verde e as diferentes flores se abrem em abundância, bem coloridas. Os pássaros voando apressados de galho em galho ou na volta de seus ninhos, cantando com mais vigor, com seu canto que nos encanta, na sonora diversidade. Borboletas bailando e abelhas trabalhando, espalhando nova vida. O amanhecer é colorido e somos acordados pelos pássaros madrugadores, todos se tornam mais animados com o pulsar da vida na natureza que nos rodeia. A energia que está no ar é de alegria, de amor, de renovação e de expectativa. A esperança brilha nos olhares e corações com o renascer do vigor e da beleza, vindos da natureza. As ruas ficam cheias, as famílias buscam praças, parques, passeios ao ar livre, em saudáveis momentos de confraternização.

Lições de amor e solidariedade podem ser observadas e aprendidas, através do mundo animal e vegetal, interações se completam e se harmonizam na sabedoria do gerar, cuidar e espalhar a certeza do renascimento. Há quem diga que estar na primavera da vida é estar no auge da juventude, cheio de vigor, outros dizem ser na maturidade, quando se adquire a estabilidade profissional e familiar, e por que não em uma idade mais avançada? Podemos dizer também que estar na primavera da vida é o dia de hoje, é como vivo cada momento com seus novos e diferentes amanheceres.

E, quem sabe, falar que ela, esta estação das flores, está dentro de mim, que é um estado da minha alma, do meu coração, e que não preciso esperar os ciclos da natureza se completarem para chegar o momento de ela chegar. Este estado de alma pode ser despertado em um momento, um breve instante em que, na interação com um idoso, onde a realidade, a fantasia e o passado se confundem no tempo e se fundem em histórias fantásticas. Pode surgir quando abrimos nosso coração e nossa mente para acolher o inusitado com o coração abundante de amor, que é a maior representação da primavera. Permitir-se entrar num mundo desconhecido, sem julgamento, sem querer corrigir as discrepâncias colocadas, possibilita, por uns segundos, que aconteça um elo de alegria, de harmonia, gerando um sorriso e um brilho no olhar que ficam guardados para sempre na nossa essência.

Relembramos das muitas primaveras da nossa existência, contadas em anos de experiências que nunca são iguais, nem sempre exuberantes, mas sempre presentes. Escolhemos o que guardar e o que cultivar das vivências nas estações da nossa jornada. É muito fácil nos acomodarmos em rotinas que não contribuem para acolhermos e desenvolvermos uma história com mais valores e conhecimentos. Certo é que somos os que comemos, o que lemos, àquilo que assistimos nos meios de comunicação, somos o que possuímos e cultivamos dentro de nós. É necessário força de vontade e consciência desperta para conduzir-nos a novos rumos mais saudáveis, e com certeza temos por onde começar essa nova realidade.

Podemos, então, iniciar uma existência com mais saúde, por meio da natureza e de seus reinos, que nos brindam com exemplos vindo dos ciclos que se repetem com mensagens de renovação da vida, oriundas através das sementes, que têm no seu interior a essência divina viva e latente. Somos parte da natureza, somos sementes, trazemos dentro de nós a sabedoria, o amor, a harmonia, o pulsar divino. Quando deixamos de lado nossas certezas, nossas crenças, hábitos e dogmas arraigados e abrimo-nos para este encontro com a natureza, descobrimo-nos nessa caminhada, achamos o que de melhor possuímos dentro de nós, e assim podemos fazer a escolha para que a estação primavera nos acompanhe todos os dias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *