A Lição do Rio

Autor: Izabel Cristina Heberle

Psicoterapeuta Reencarnacionista Coach, Escritora e Terapeuta Holística.

Hoje como um rio caudaloso que corre para o mar, ontem era um pequeno filete de água deixando a nascente e formando um leito.

A caminhada espiritual é assim nasce e se descobre fonte inesgotável que se aventura pelos caminhos diversos, sem perder a identidade da fonte.

O filete que se aventura na caminhada encontra obstáculos antes de se tornar e se reconhecer força pura.

No início frágil e inseguro, começa a percorrer um caminho onde encontra pedras de diferentes tamanhos e margens que o limitam. Por vezes grandes quedas de água que aparecem de repente, cai com força e arrasta com violência.

A violência simboliza a própria luta, que muitas vezes dá a impressão de estar se lutando com os outros, mas que na verdade é uma luta consigo mesmo, se debatendo com suas próprias escolhas não compreendendo os “Porquês” da caminhada.

Lutando contra emoções e sentimentos fortes que mais parecem um rio em tempos de cheias: revolto, barrento e violento, arrastando tudo o que está próximo.

Quando encontra seu eixo para e forma um leito calmo e pacífico, onde vai acomodando tudo entre as margens.

Deixando-se raso e profundo ao mesmo tempo, dando vida e deixando a vida se estabelecer às suas margens. E, quando finalmente entende seu propósito respira e se vê sábio.

Quando a tempestade chega se agita com o vento, mas deixa ao mesmo tempo o vento agitar a sua superfície, e lá dentro está calmo pois alcançou a compreensão da caminhada.

Hoje aprendeu a contornar as pedras pequenas e as grandes, aprendeu a perceber que as margens não mais o limitam e nem o contém, mas que, são um contorno que dão beleza a sua forma.

Percebe que se tornou um espelho, onde tudo o que está no céu se reflete nele, e que esse espelho se funde com o todo, mas ao mesmo tempo é único e indivisível. Não mais se divide e sim compartilha, não mais carrega contra vontade mas faz com que deslize em movimento suave e natural, onde abastece com suas águas toda vida que está a sua volta.

Assim é a caminhada espiritual, muitos se encontram revoltos, agitados, caindo de grandes quedas e ainda arrastando tudo ao seu redor.

Isso faz parte do crescimento e desenvolvimento espiritual. Nossos guias e mestres ora são as margens que nos dão limites, ora são os grandes ventos que tentam nos conter com amor e cuidado até encontrarmos a calmaria em nossos corações.

São eles que preparam o lugar, que nos acomodam pouco a pouco.

São eles que nos fazem perceber que lutar não significa brigar e que ser forte não significa ser devastador. Que controlar não é o mesmo que conter.

Fúria não deve ser controlada e sim contida, assim como não devemos escolher a quem amar, pois o amor deve ser distribuído a tudo e a todos.

Assim como o rio aprende a se movimentar serenamente, nós podemos aprender que somos fonte inesgotável de Amor e compartilhar vida e sabedoria com todos os que nos acompanham nesta jornada de Luz e Evolução.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *